Livro: O Guardião de Livros

Sinopse: Uma escrava muda conta um segredo guardado durante 200 anos; um escravo apaixona-se por quem não deve; uma carioca leva um português a descobrir as delícias do sexo; um cientista judeu a quem são confiados dois livros raros naufraga nas ilhas Malvinas. Estas são algumas das personagens deste romance, que nos narra a vida de Luís Joaquim dos Santos Marrocos, um bibliotecário hipocondríaco que, em 1811, atravessa o Atlântico rumo ao Brasil acompanhado por 76 caixotes cujo conteúdo era verdadeiramente precioso: no seu interior seguia a Real Biblioteca do Palácio de Ajuda, inicialmente esquecida no cais de Belém aquando da saída apressada da Corte portuguesa para o Brasil em 1808. A autora descreve-nos uma vida rica em acontecimentos inesperados, onde a ironia se mistura com momentos comoventes.
Ser conquistada já pela capa...assim foi a forma que conheci O Guardião de Livros.. lançado pela editora Casa da Palavra. E com esse título seria o bastante também em chamar a minha atenção, e depois ao constatar o que seria contado nele... bem já me conhecem um pouquinho, e adivinham o que aconteceria a seguir.. eu precisava lê-lo.
"(...) Luís, que tinha imaginado desembarcar numa praia no meio da selva, ficou surpreendido com as rochas colossais que emergiam do mar, (...) se não tivesse certeza de estar sem febre, poderia pensar de tratar de uma alucinação. O conjunto tinha aspecto de uma tela enorme pintada com cores que nunca vira, colocada com a ajuda de Deus para o aliviar de todas as aflições passadas durante a viagem."
Impossível não lembrar dos livros 1808 e 1822, mas as semelhanças ficam na maneira de conduzir ao leitor a uma época tão importante de tantos acontecimentos do país, e saber apontar os principais marcos na contrução da história do livro... ligando lugares e personagens, deixando a leitura cada vez mais prazerosa e interessante.

Dessa vez pude sentir a reação dos portugueses que foram abandonados a própria sorte lá em Portugal.. e ver seu príncipe e toda corte partindo para o Brasil. A sensação e o clima deve ter sido terrível.. o terror tomando conta de seus corações e nas ruas... e aquela ameaça da invasão dos franceses com Napoleão. Indescritível... e pegando tudo isso Cristina Norton nos apresenta as personagens da sinopse..

Somos levados para dentro daqueles anos de 1807 a 1821 e depois finalizando em 1838.. conhecendo o comportamento e o cotidiano de escravos, portugueses e brasileiros, os impactos que esses novos convívios causaram (com a vinda da corte portuguesa para o Brasil em 1808) e a repercussão, quando paramos para refletir, ao que temos hoje.

A autora intercalou narrações de primeira e terceira pessoa, deixando assim possível termos todo tipo de visão a respeito do que estávamos lendo..e claro permitindo inúmeras conclusões. Eu sempre tento me identificar com alguém, mas dessa vez... foi praticamente impossível com personagens tão ricos e humanos.. só restou ser espectadora e aguardar a conclusão de suas passagens pela terra nessa viagem que o livro proporciona. E quando justamente temos a conclusão (ou a falta dela) que fiquei um pouco frustrada. Depois de tantos detalhes, finaliza corrido.. sem maiores importâncias aos escravos que tanto são mostrados, a própria esposa de Marrocos Ana e suas 2 filhas.. e sua família de Lisboa. Mas levando em consideração que o livro é baseado nas cartas (186 existentes até hoje e arquivadas na Real Biblioteca do Palácio da Ajuda em Lisboa) de Luís Joaquim dos Santos Marrocos enviadas por ele a seu pai, Francisco, e a sua irmã (e informadas a todo o momento durante o livro)... e assim que ele morre.. a narrativa do livro meio que também.. então nada mais podíamos esperar....na verdade foi um pouco antes disso... na sua atitude de não mais escrever a família que o estava ignorando...por motivos exclusivamente idiotas. 
"Francisco recebia todas as cartas, (...) guardava-as numa gaveta própria, acarinhando já a idéia de as levar à biblioteca do Palácio da Ajuda, porque eram um testemunho precioso dos tempos que a corte e seus filho estavam vivendo. Naturalmente, havia algumas passagens inconvenientes, desabafos que não deviam ser divulgados naquele momento. Mas ele sabia que é com esses pormenores que se escreve a pequena história e, quando o tempo passasse e alguém descobrisse as cartas, aquelas situações que poderiam embaraçar algumas pessoas já não escandalizariam ninguém nem seriam vistas da mesma maneira."
Foi muito prazeroso poder acompanhar o que autora propôs e também aumentar meus conhecimentos sobre essa época interessante e importante do nosso país. E instigando mais meu desejo de conhecer nosso passado. Boa parte das respostas que procuramos hoje podemos encontrá-las lá atrás.. É claro que muitas delas vão continuar perdidas no tempo e no espaço... afinal sabemos que o saber e o poder juntos poderão causar maior destruição do que é humanamente possível suportar.
 Arte do livro / Capa e interior ★★★★
Tempo de leitura / Narrativa
Objetivo / Impacto 

Dani Fuller é administradora do blog e está sempre buscando algum diferencial para seus leitores. Sempre que possível ela posta resenhas de livros, dá dicas de séries, inventa promoções etc. Possui 28 anos, carioca, viciada em seriados, livros, filmes e compras. Adora voley e internet. Acompanhe seu blog pessoal e siga seu twitter @DaniFuller2. Leia também todos os seus posts já publicados.

0 Curiosos:

Obrigada por visitar o blog DaniFuller.com e seria ótimo que pudesse também deixar um comentário. O que acha?
Evite:
* Comentários anônimos
* Comentários ofensivos
* Comentários com propagandas de blogs e afins.

Não insista, pois todos serão excluídos. Existe uma opção de contato e parceria especialmente para isso.
Todos os questionamentos serão respondidos diretamente ai na parte de comentários, quem quiser pode deixar seu twitter acrescido do @ que envio o resumo da resposta direto por lá.