Livro: O Amante da Virgem

Sinopse: Um retrato encantador da rainha Elizabeth I, conhecida como a Rainha Virgem. Coroada aos 25 anos de idade, deparou-se com um reino em ruínas e um exército desmoralizado. Para recuperá-los, contou com a ajuda do cavaleiro sir Robert Dudley. Um romance soberbo cujas descrições transportam o leitor à Inglaterra do século XVI.
Mais um livro lido e adorado por essa super incrível autora e as incríveis histórias da Inglaterra. As narrativas até agora (A Princesa Leal, A Irmã de Ana Bolena, A Herança de Ana Bolena, O Bobo da Rainha) seguiram a infância de Catarina de Aragão, primeira esposa de Henrique VIII, passando por todo período bom e ruim do reinado dele, todas as esposas que teve, e também de seus filhos. Lembrando que nem sempre a narrativa é focalizada na personagem mais importante historicamente, e isso para mim deixa tudo mais interessante, pois é como se você também estivesse passando por aquilo.. sendo testemunha de tudo que envolve a corte Tudor.

Posso considerar esse inferior aos demais livros.. simplesmente pois não seguiu o que eu gostaria. A autora é mestre,  faz eu amar e ter raiva de alguém assim com uma facilidade assustadora.
"Nasci para grandeza e tenho de reivindicá-la. Nasci para servir à minha família e a minha pátria."
Em O Amante da Virgem estamos na época do final de reinado da filha mais velha de Henrique VIII Mary, sua morte e por fim ascensão de Elizabeth. Um pouco de minha frustração com esse livro é que esperava ter mais da Elizabeth e de seu reinado.. mas aqui o foco é o que o título já nos introduz.. o grande ‘escândalo’ envolvendo a rainha e a possibilidade dela ter tido algo com o seu queridinho da corte Robert Dudley.
"É insuportável governar sozinha, e no entanto, como podemos dividir um trono? A que homem poderíamos confiar tão grande poder?"
Elizabeth nunca casou... daí veio toda a questão também de ser a Rainha Virgem, pois teoricamente você só poderia ter relações sexuais ao casar... e é onde entra o Dudley.. amigo de longa data da rainha.. sempre estiveram juntos como amigos... e ele conspirou bastante para tentar colocá-la no trono.. e possibilitando o nascimento de um intenso relacionamento entre os 2.
"Pois agora posso ser a rainha a que minha mãe me destinou ser, a rainha que Mary não pôde ser, a rainha que nasci para ser."
Ele era pertencente a uma das famílias mais poderosas da Inglaterra, um dos homens mais desejados/invejados e junto a isso com o histórico mais perigoso. Pai condenado à traição, família manchada para sempre... mas na corte "(...) as memórias eram extraordinariamente curtas. Era um proscrito em seu próprio país."
"(...)é o mais leal traidor que já derrubou uma rainha por amor a ela."
Sempre li e assisti 2 lados da minha querida e estimada Elizabeth... e acredito que ambos podem ser justificados pela vida que ela foi obrigada a viver. Mas aqui nesse livro senti em muitos momentos uma raiva da autora e do comportamento da Elizabeth... apesar de também ser de certa forma aceitável..ficava bem complicado conseguir enxergar aquela Elizabeth da era de Ouro com essa que vemos aqui.. parecia mais uma jovem P., sem atitude e personalidade.
"É rainha agora, Elizabeth, pode fazer o que quiser. E ninguém pode recusar."
Temos também a posição de ‘Anne’ e todo seu sofrimento sendo a doce esposa de Robert Dudley.. com passagens bem interessantes que causava uma reação revoltante e meio perturbada. Ela é o exemplo da vida de uma mulher naquela época. Uma que não tivesse tantas ambições. Mas também ela casou com um Robert jovem e até mais que ela... eles eram do campo e ela nunca poderia imaginar o que a estava aguardando. Ele mesmo cita que era uma pessoa totalmente diferente, apesar de no fundo sempre ter o sentimento que deveria ser mais, estava destinado a algo maior. A existência dessa personalidade de Robert foi sua maior benção e sua maior maldição e também é dada ênfase em do começo ao fim no livro.
"Ela é a rainha da Inglaterra e você um homem casado. Se ela continuar nesse caminho. Será rainha no exílio e você decapitado."
E mesmo com suas personalidades contrastantes, e uma situação da história bem complicada para Inglaterra na questão religiosa, política e social, Philippa Gregory apresenta a maior parte desses ambientes, e narra com maestria como ficção algo totalmente real. Mesmo não achando tão bons quanto os outros, fica aqui minha recomendação para que todos leiam o quanto antes os livros da autora. 

OBS.: Na minha pesquisa ao google que sempre faço quando termino de ler livros assim.. fez eu relembrar um fato importante também.. que vemos no livro rápido, mas ia passando despercebido por mim.. Dudley ainda se casa novamente.. e justamente com a prima de Elizabeth (parte da Maria Bolena, irmã da mãe de Elizabeth Ana Bolena). Eles não tiveram herdeiros.. mas ela do casamento anterior (acho q é isso rs) sim.. e desses filhos continuaram a linhagem que vai até os dias atuais.. incluindo até mesmo o príncipe William e acho que a Kate também. Simplesmente o máximo, né? Rs.
 Arte do livro / Capa e interior
Tempo de leitura / Narrativa
Objetivo / Impacto 
FORMULÁRIO TOP QUERIDOS DEZEMBRO



Dani Fuller é administradora do blog e está sempre buscando algum diferencial para seus leitores. Sempre que possível ela posta resenhas de livros, dá dicas de séries, inventa promoções etc. Possui 28 anos, carioca, viciada em seriados, livros, filmes e compras. Adora voley e internet. Acompanhe seu blog pessoal e siga seu twitter @DaniFuller2. Leia também todos os seus posts já publicados.

7 Curiosos:

Ai que lindo!!!
A resenha ficou maravilhosa e o livro parece incrível. Graças a uma amiga foférrima e querida tenho agora um dos livros da Série, A Princesa Leal! Quem será essa menina???
A partir de agora é coleção e leitura obrigatória!
Bjkas,

Monique Martins
MoniqueMar
@moniquemar

Ah, apesar de você gostar tando Dani, eu não tenho interesse em ler essa série.
Eu gosto de livros que tem um final feliz, daquele tipo que o amor vence tudo e tal 'rsrs
Por essa história se tratar de algo real/fictício, é triste saber que os personagens não tiveram um fim merecido ...
Sou muito emotiva *-*

Bjus =*

Menina, tu e tua empolgação com livros deste genero.È incrivel como atraves da resenha consiguimos sentir tua empolgação crescente e amor por historias assim.
A resenha ficou fantastica, até quase pensei em ler kkkk, mas é um livro q não pegarai pois ao contrario de ti nao sou muito fã de historia.Sem falar na capa que achei horrenda kkkkk.
beijinhoos

Capa feia Ana Letícia?
Não creio... acho linda. Adoro os vestidões de época! rsrs

Capa feia Ana Letícia?
Não creio... acho linda. Adoro os vestidões de época! rsrs [2]

verdade dessa x a @Ana Leticia ficou doidinha kkk

Dani, acho que você é a pessoa que eu conheço que mais gosta de livros dessa época... hahaha. E isso não é ruim, ok? Eu até gostaria de ler algum da Philippa, mas são tão carinhos, sempre que vou procurar! Sempre de 40 pra cima. E se nem em livros ultra desejados eu gasto isso, fica díficil gastar tudo isso no primeiro livro que leio dessa autora né? :x
Mas a história me interessou, adorei a parte que você falou que achou a Elizabeth desse livro "uma jovem p.", hahah. E o mais legal disso é que não é só ficção, né? Adorei suas observações, mais cultura \o/.
Bjs,
Isa ~ portal dos livros

Um dia vou encontrar esses livros para ler já que você fala tanto deles. Adoro história, então devo gostar dessa autora.
Muito legal ver livros de pessoas que tem descentes até hoje.

----Leituras & Fofuras----
www.leiturasefofuras.com.br

Obrigada por visitar o blog DaniFuller.com e seria ótimo que pudesse também deixar um comentário. O que acha?
Evite:
* Comentários anônimos
* Comentários ofensivos
* Comentários com propagandas de blogs e afins.

Não insista, pois todos serão excluídos. Existe uma opção de contato e parceria especialmente para isso.
Todos os questionamentos serão respondidos diretamente ai na parte de comentários, quem quiser pode deixar seu twitter acrescido do @ que envio o resumo da resposta direto por lá.